O Cérebro e as Emoções – Parte 1

Publicado em Notícias, Pesquisas

Dakila, Dakila Pesquisas, Urandir, Urandir Oliveira, Pesquisador Urandir, Ciência Lilarial, Ciência, Lilarial, Ciencia, Cérebro, Controle Mental, Tecnologia Mental

📍 – O CÉREBRO E AS EMOÇÕES – Parte 1 – 📍
 
Pare e imagine:
 
Você chupando um limão bem azedo;
Uma pessoa banguela mordendo uma agulha;
Você fazendo carinho em um filhotinho.
 
Se você realmente estiver imaginando, irá perceber que automaticamente o seu corpo reagiu a esses pensamentos.
 
Provavelmente fazendo uma careta nas duas primeiras frases e uma cara de satisfação na terceira.
 Mas por que isso ocorre?
 
O cérebro é composto de pequenas células nervosas denominadas como neurônios, que através de milhões de sinapses, se conectam e formam uma grande rede neural que se parece com uma tempestade elétrica.
 
Ninguém nunca viu o pensamento, mas nós podemos ”ver” a física neural quando se está formando um pensamento coerente. Vemos uma tempestade em diferentes quadrantes do cérebro.
 
Uma grande curiosidade é que o cérebro não sabe a diferença entre o que ele imagina e a realidade, entre o passado e o presente, pois ele acessa a mesma rede neural.
Para ele, tudo é verdade.
 
Para transmitir essas informações, os neurônios soltam substâncias químicas chamadas: neurotransmissores (são capazes de produzir reações no nosso corpo).
 
Dessa forma, quando nós colocamos a atenção em algo, o corpo produz respostas hormonais, relacionadas a sensações de bem-estar ou de stress.
 
Essas sensações estão interligadas a maneira como enxergamos o mundo exterior, com os “modelos” que nós mesmos criamos através das experiências vividas.
 
Algumas pessoas, quando pensam em amor, por exemplo, tem esse sentimento ligado ao desapontamento, então experimentam a memória da dor e mágoa. Enquanto que outros se conectam com a sensação de prazer, carinho e acolhimento.
 
Ou seja, o pensamento ativa o cérebro, que libera neurotransmissores, que se conectam a uma memória e liberam hormônios, gerando uma emoção.
 
Portanto, quem está no comando quando acionamos nossas emoções? 😉
 
Assim, é comum ouvirmos dizer que emoções não tem explicação ou a frase “não tenho culpa de me sentir assim”… mas isso é realmente verdade?
 
E se o cérebro pode comandar as emoções, qual a importância de mantermos nossos pensamentos positivos?
 
O que acontece se eu constantemente gero sentimentos de stress no meu corpo?
 
E não se esqueça: “O Todo é Mente, o Universo é Mental”.
Seja DIFERENTE.
Busque CONHECIMENTO!

3 comentários em “O Cérebro e as Emoções – Parte 1

  1. There are actually numerous details like that to take into consideration. That may be a nice point to convey up. I offer the thoughts above as general inspiration however clearly there are questions just like the one you bring up where an important thing can be working in sincere good faith. I don?t know if finest practices have emerged around things like that, but I’m sure that your job is clearly identified as a good game. Both girls and boys feel the influence of just a moment’s pleasure, for the rest of their lives.

  2. Olá. Meu nome é Valéria, sou médica, dermatologista, infectologista e imunologista, também estudo o comportamento e os estados da mente, como hipnose , alterações imunes ligadas aos psiquismo , dentre outros assuntos. Tomei conhecimento do Zigurats e tenho interesse em participar de cursos , e conhecer pessoalmente a cidade. Como fazer ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *