Otimismo e a Motivação: Suas consequências em nossas vidas

Publicado em Pesquisas

Você é Feliz?

http://dakila.com.br/images/conteudo/otimismo-e-motivacao.jpg

Existe o grande clichê que diz que pessoas otimistas seriam mais felizes. Mas será que conseguimos verificar isso em nossas pesquisas paracientíficas ligadas à física quântica e desenvolvimento humano?

Trataremos o assunto através de três diferentes abordagens:

1 – Abordagem quântica e paracientífica:

Estudos em física quântica nos demonstram que nosso DNA interfere e influencia nos fótons e outras partículas subatômicas. Outros estudos demonstram que nossos sentimentos otimistas ou positivos deixam nosso DNA mais relaxado, enquanto que sentimentos negativos ou pessimistas tendem a contrair o DNA. Nossos sentimentos impactam por consequência nossas partículas em níveis quânticos, alterando nossos campos bioeletromagnéticos que, por sua vez, influenciam em nosso metabolismo. O padrão mental de um indivíduo impacta diretamente suas frequências corporais e os campos vibratórios de suas partículas. Por uma questão de ressonância, pensamentos positivos e construtivos geram padrões vibratórios que permitem uma programação celular coerente, ou seja, construtiva e positiva. O corpo sente isso através de uma modificação metabólica produzindo um bem estar corporal de relaxamento. Esse processo impacta diretamente sua motivação e, consequentemente, suas interações no mundo e a coerência de suas ações com seus objetivos. Uma pessoa desmotivada diminui sua produtividade e sua realização ou capacidade de concretizar seus objetivos.

2 – Abordagem médica:

A medicina considera desde algum tempo que o otimismo tem um papel importante na boa saúde. Pesquisas indicam relações entre os pensamentos e sentimentos ditos “negativos/pessimistas” e a psicossomatização de doenças. Estudos da universidade de Yale indicam que pessoas pessimistas tem uma menor expectativa de vida que as pessoas otimistas. Mas convém aqui separar os otimistas realistas e realizadores dos otimistas crédulos. Os otimistas realistas e realizadores possuem uma perspectiva positiva dos otimistas moderada com realismo e prudência e realização. Os otimistas crédulos fazem planos que não estão ao alcance de sua realidade, têm dificuldade em realizá-los e se frustram. Do ponto de vista da saúde, os dois otimistas são mais felizes que os pessimistas, mas os otimistas realistas possuem uma maior capacidade de construção e realização em suas vidas.

3 – Abordagem fisiológica:

O otimismo está associado também com nossa motivação. Temos um estudo muito interessante sobre a motivação do ponto de vista fisiológico e hormonal. Segundo ele, todos os sentimentos que nós sentimos são o resultado da interação de diferentes hormônios. Com a motivação não é diferente. A dopamina e a adrenalina nos fornecem motivação e nos tornam alertas e focados além de aumentar o nosso entusiasmo pela vida. Ao mesmo tempo, os níveis de hormônios com efeitos negativos (tais como o cortisol) caem. A motivação e a disposição, são processos hormonais que são construídos ou destruídos através da alimentação e de movimentos físicos. Ao contrário do que nos ensinam, as emoções são determinadas a partir de reações químicas conscientes. Defendemos em nossos estudos que mesmo uma mudança de postura física ou de atitude possa impactar a fisiologia “criando-se” motivação.

Percebemos então que os otimistas acabam gerando processos físicos, psicológicos e químicos em seus corpos de maneira a impactar a saúde, a motivação e a disposição de maneira positiva trazendo um contexto mais favorável a nossa capacidade de realização. Pessoas otimistas que concretizam seus projetos têm uma maior sensação de gratidão e autorrealização. A autoestima se torna mais positiva e se sentem mais capazes. Constroem mais facilmente na vida situações em que fica satisfeito com os resultados obtidos. Com isso começam a enxergar a felicidade como um processo presente, um caminho diário e não como um objetivo futuro.

Então, de maneira geral, podemos concluir que pessoas otimistas são mais felizes sim.

E o que poderíamos fazer para aumentar a disposição no nosso dia a dia? Quais fatores influenciam?

A alimentação impacta diretamente a química do corpo e a parte hormonal. A alimentação pode deixar a pessoa mais disposta, mais saudável e mais motivada. Para isso é importante consumir alimentos que alcalinizem nosso sangue, acelerem nosso metabolismo e não gerem grandes picos de insulina em nosso sangue. Exercícios físicos liberam hormônios que dão um sentimento de prazer e motivação, mas também auxiliam no aumento da carga elétrica celular, o que é muito importante para nossa saúde e disposição. Já as técnicas terapeutas vão atacar o problema por outro ângulo. Pela tomada de consciência do paciente de que quanto mais o seu foco de atenção estiver no positivo, mais ele alimenta e enxerga situações positivas em sua vida. Mas para que isso funcione é necessário tomar ações coerentes com a tomada de consciência.

Gratidão e pensamento positivo no inicio do dia fazem com que o individuo já comece o seu dia com motivação e com foco no positivo. Não são fatores que vão nos garantir um dia mais agradável, mas são fatores que vão influenciar nosso dia para que ele seja mais agradável.

E como eu poderia avaliar se sou uma pessoa otimista ou pessimista?

Quando aparece algo novo a se fazer, você foca na possibilidade de aprender, de realizar algo novo, de atingir o objetivo? Ou você foca nas dificuldades, no medo de não conseguir? Pessoas otimistas focam sempre nas soluções. Pessoas pessimistas focam no problema e têm tendência a aumentá-los. É importante aqui não confundir pessimismo com prudência, posto que são coisas distintas.

Então podemos dizer que o outro clichê que diz que pensar negativo atrai o negativo é verdadeiro também?

Algumas pessoas veem essa frase como algo esotérico ou metafísico. Independentemente de seu aspecto metafísico, nossas pesquisas nos mostram que onde a mente humana coloca o seu foco, ela passa a entrar em ressonância com aquela frequência. De uma maneira mais concreta, uma pessoa que só pensa negativo terá tendência a olhar o problema e não a solução. A pessoa enxergará mais suas dificuldades e não suas habilidades para criar soluções. Isso pode bloquear seus processos, sua realização e diminuir sua motivação. O consequente aumento de sua insatisfação e frustração afetam sua autoestima, suas atitudes, suas ações e mesmo sua saúde. É muito importante termos objetivos construtivos realistas, acreditarmos neles e tomarmos ações coerentes para realizá-los.

Autores: Alan Fernandes e Otávio Reis

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *