Padrões que moldam a vida integram os Fundamentos da Natureza

Publicado em Pesquisas

A dança dos corpos celestes segue princípios básicos e tudo isso influencia os seres vivos

Os Fundamentos da Natureza norteiam tudo o que ocorre no universo, portanto, a Terra se enquadra dentro desses princípios. Os Fundamentos da Natureza, atuando em conjunto, são responsáveis por determinar a trajetória dos corpos celestes no tecido cósmico (dança dos corpos) e também pelo giro da galáxia em movimento espiral.

Tudo isso integra uma nova visão científica das forças que regem os universos. Essa nova ciência tem o nome de Lilarial que, basicamente, significa união das forças. Mais especificamente é a convergência das ondas eletromagnéticas moduladoras do cosmo (polaridades positiva/negativa/neutra), que realizam sempre uma trajetória entrelaçada. Essas ondas por serem moduladas, fazem com que todas as coisas obedeçam à mesma ordem delas.

Os Fundamentos da Natureza são compostos por sete pilares básicos. Eles não devem ser confundidos com as sete forças físicas tal como apontado pela ciência tradicional, que são princípios diferentes. Esses sete pilares básicos são os seguintes: Magnetismo, Densidade, Pressão, Onda Modular Positiva, Onda Modular Negativa e Tempo Zero ou Tempo do Não Tempo ou Ondas Modulares Neutras.

Como podemos observar o Magnetismo, a Densidade e a Pressão são forças já conhecidas pela ciência tradicional, que são: Magnetismo, Densidade, Pressão, Campo Magnético, Força escalar, Força Forte e Força Fraca. Importante salientar que as Sete Forças Físicas são derivadas dos Fundamentos da Natureza.

A força Modular Positiva, Negativa e Neutra (Tempo Zero) compõe a energia primária de criação, tem comportamento ondulatório. Essas forças são estudadas pela Ciência Lilarial, e permeiam tudo o que existe. A Luz é uma frequência de uma onda e também possui comportamento ondulatório.

O MDPL (Magnetismo-Densidade-Pressão-Luz) também faz parte dos Fundamentos da Natureza. No Planeta Terra podemos observar esses padrões em vários níveis, tanto em seres vivos como na natureza. Como exemplo, podemos verificar que todo ser vivente é baseado em instintos (que são seus padrões), que é aquele conhecimento nato, espontâneo, sem precisar de aprendizado. Como exemplo, como um filhote de mamífero tem o instinto de mamar?  Por que as tartarugas marinhas quando nascem sabem que precisam correr para o mar? Esses instintos básicos fazem parte das forças modulares da energia primária da criação e integram os fundamentos da natureza. Dessa forma, as forças modulares geram os padrões instintivos de acordo com a espécie.

Na natureza cada objeto conforme sua densidade é influenciado por diversos padrões mudando seu padrão original, porém como explicado anteriormente, sempre tendendo a voltar a seu padrão inicial. Exemplo: o padrão da água é ser líquida, mesmo ela mudando para outros estados (sólido, gasoso, etc.), em algum momento ela volta a ser líquida, sem perder as suas propriedades. Rochas: mesmo sofrendo diversos efeitos ou ações não perdem sua característica original. Dessa forma, os padrões gerados pelos Fundamentos da Natureza regem tudo o que compõe os universos, a vida e a criação, uma forma diferenciada que explica o comportamento de todo ser vivente ou não.

Esses padrões regem a diversidade de vidas dos mundos físicos, tendo cada um seu “molde astral”, batendo de frente com a visão científica que não estudou além do estado material no que diz respeito à vida. Como exemplo nós temos os gêneros masculino e feminino em todos os reinos que obedecem a estes padrões modulados por essas forças modulares que ditam as regras do cosmo e seus universos. Sendo assim, podemos dizer que o padrão masculino, independente de quantos estágios de vida se tenha, não importa o que aconteça com o passar dos tempos, sempre obedecerá às características desse gênero e da mesma forma o feminino, impossibilitando assim que uma espécie modifique seu padrão de masculino para feminino (positivo/negativo) com manifestações de seu corpo físico nos mundos tridimensionais.

Tais padrões naturais se forem aplicados na vida humana, no caso do homem, jamais poderiam ressurgir em épocas diferentes como padrões físicos femininos, uma vez que seu molde astral ou extra físico é do gênero e polaridade masculina. Esse é um dos principais objetivos da Ciência Lilarial: estudar a atuação desses padrões dos mundos físicos e paralelos.

Quanto ao MDPL (Magnetismo, Densidade, Pressão e Luz) e suas derivações os pesquisadores confundem com a gravidade que, segundo os padrões da natureza é impossível a existência  desta força. Pelo estudo da Ciência Lilarial o que mantém os corpos com uma força de atração de um para outro, seguindo um sincronismo quase que perfeito, nada mais é do que magnetismo de ambos os corpos, uma força quase que ignorada pela ciência tradicional, mas que é responsável pela modelagem de todos os corpos físicos, determinando assim sua sincronicidade e trajetória segundo seus universos.

Em relação às forças do MDPL, de acordo com alguns testes biotecnológicos, podem ser convertidas em partículas fotônicas, ampliadas e direcionadas para uma determinada região e qualquer vida orgânica em  movimento poderá absorver parte dessas partículas. Sabemos que quanto maior o movimento, maior a absorção e o resultado disso é um corpo com maior resistência e desempenho. Traduzindo para a vida humana, poderíamos ter uma nova geração de super-humanos.

Urandir Fernandes de Oliveira 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *